You are currently viewing Dia Internacional da Proteção de Dados Pessoais

Dia Internacional da Proteção de Dados Pessoais

No dia 28 de Janeiro de 1981, foi ratificado pela Convenção 108 do Conselho Europeu, o primeiro instrumento internacional vinculativo a proteger os cidadãos contra o tratamento de dados abusivo. A data ficou marcada como o Dia Internacional da Proteção de Dados Pessoais e Privacidade, com propósito de conscientizar a sociedade da necessidade da tutela adequada a um direito fundamental, impedindo que os indivíduos sejam controlados e manipulados por governos e entidades privadas, através de seus dados pessoais.

No Brasil, a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (13.709/2018) tem como princípios, o livre desenvolvimento da personalidade e a autodeterminação informacional, os quais garantem aos titulares dos dados, o domínio de sua individualidade e controle de suas comunicações.

Neste dia de conscientização, a Comissão de Inovação, Gestão e Tecnologia da OAB Guarulhos/SP, reforça a importância do reconhecimento do tema no âmbito constitucional. O poder legislativo busca integrar o direito a proteção de dados pessoais, na lista de garantias individuais fundamentais no artigo 5, XII-A através da Proposta de Emenda Constitucional 17/19. A constitucionalização do direito a proteção de dados pessoais é matéria aclamada pela sociedade brasileira que, além do desejo do desenvolvimento econômico, também deseja ter o autocontrole dos dados pessoais e ainda, expandir a participação ativa na construção dos valores, crenças e até mesmo nas concessões na esfera mais íntima.

Os problemas no mundo real já apontam grandes incidentes como vazamentos de dados pessoais e a manipulação política e comercial dos usuários nas redes sociais, marcando um momento que exige o amadurecimento da cultura de privacidade na sociedade brasileira. Reconhecer a proteção aos dados pessoais no âmbito constitucional representa a preservação efetiva do Estado Democrático de Direito que está sob ameaça constante pelo poder de vigilância e controle massivo das informações pessoais através das aplicações tecnológicas, que além de trazerem benefícios e efetividade, também têm potencial risco de violar direitos fundamentais básicos.

  • Carolina Carvalho Lemos
    Presidente da Comissão de Inovação, Gestão e Tecnologia da OAB Guarulhos/SP

#oab57guarulhos#oabsempreatuante

Compartilhe este artigo: